Clube de leitura
Porque ler é um prazer que deve ser partilhado
18 de Maio de 2010

Esta história é uma história de amor mas vai muito além da simples história que se encontram e apaixonam. Para começar as suas origens são muito diferentes. Xénia Ossoline é russa, Max von Passau é alemão e conhecem-se em Paris. Como pano de fundo á sua história descobrimos os mais marcantes acontecimentos da primeira metade do século XX, a Revolução Bolchevique, a Alta-Costura dos anos 20, a ascenção de Hitler, a Segunda Guerra Mundial, o Holocausto...

Xénia vê o seu mundo desmoronar devido à Revolução Bolchevique, é obrigada a fugir de Sampetersburgo e a refugiar-se em Paris. A sua vida é uma incansável luta pela sua sobrevivência e da família que lhe resta. Max é filho de um barão e, contra a vontade do pai, torna-se fotógrafo. Mais tarde, quando começa a perseguição aos judeus e a Segunda Guerra Mundial, Max faz parte dos alemães que se juntam à Resistência.

O seu primeiro encontro é em Paris mas reencontram-se em Berlim quando Xénia já é modelo. O amor que vivem é tumultuoso tal como os tempos atribulados que os rodeiam e é cheio de encontros e desencontros. Xénia, oprimida pelo sofrimento que já passou, nunca é capaz de se entregar completamente.

O enquadramento histórico ajuda-nos a perceber o horror da guerra, da xenofobia e do fanatismo.


"- Amo-te, Xénia.
E foi como uma dilaceração no coração da jovem, um soluço abafado, o perpassar de uma asa negra. o amor de um homem é algo de magnífico e de aterrador ao mesmo tempo, pois traz consigo a aspereza da esperança, as dores da infância, o fardo de um passado, as traições e os sonhos não satisfeitos, e todas as miragens, as auroras esperadas, as certezas."

"Auschwitz-Birkenau, Janeiro de 1945

O general soviético Igor Kunine avançava pelo meio das planícies e dos pântanos da Alta Silésia sem compreender o espectáculo que se encontrava aos seus olhos. Ninguém o prevenira. Fora o acaso que os conduzira até ali, ele e os seus homens. E sentia a estranha impressão de que o corpo e o espírito se tinham dissociado (...) O seu corpo caminhava entre barracões escuros no meio de uma luz opalescente da qual surgiam seres de olhar vazio, de vestes ás riscas esfarrapadas, descalços, que o observavam sem proferir uma palavra."
 
 
Publicado, originalmente em "É possível ser feliz..."
publicado por Charneca em flor às 21:52 link do post
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Posts mais comentados
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Um dos melhores livros :)
Ainda bem que gostou Fenix! Aconteceu o mesmo comi...
Também adorei só consegui para no fim quanto mais ...
Já li e adorei! Excelente livro como aliás todos o...
Saudações a todos. Venho sugerir as capas para liv...
É sem dúvida um excelente livro, ficamos presas do...
Deve ser um excelente livro!
Vergílio Ferreira é isso mesmo; VF é literatura pu...
Por aqui é fácil, basta procurar na Bertrand ou Fn...
Achei o livro excelente. Como sempre, José Rodrigu...
blogs SAPO