Clube de leitura
Porque ler é um prazer que deve ser partilhado
18 de Maio de 2010

Esta história é uma história de amor mas vai muito além da simples história que se encontram e apaixonam. Para começar as suas origens são muito diferentes. Xénia Ossoline é russa, Max von Passau é alemão e conhecem-se em Paris. Como pano de fundo á sua história descobrimos os mais marcantes acontecimentos da primeira metade do século XX, a Revolução Bolchevique, a Alta-Costura dos anos 20, a ascenção de Hitler, a Segunda Guerra Mundial, o Holocausto...

Xénia vê o seu mundo desmoronar devido à Revolução Bolchevique, é obrigada a fugir de Sampetersburgo e a refugiar-se em Paris. A sua vida é uma incansável luta pela sua sobrevivência e da família que lhe resta. Max é filho de um barão e, contra a vontade do pai, torna-se fotógrafo. Mais tarde, quando começa a perseguição aos judeus e a Segunda Guerra Mundial, Max faz parte dos alemães que se juntam à Resistência.

O seu primeiro encontro é em Paris mas reencontram-se em Berlim quando Xénia já é modelo. O amor que vivem é tumultuoso tal como os tempos atribulados que os rodeiam e é cheio de encontros e desencontros. Xénia, oprimida pelo sofrimento que já passou, nunca é capaz de se entregar completamente.

O enquadramento histórico ajuda-nos a perceber o horror da guerra, da xenofobia e do fanatismo.


"- Amo-te, Xénia.
E foi como uma dilaceração no coração da jovem, um soluço abafado, o perpassar de uma asa negra. o amor de um homem é algo de magnífico e de aterrador ao mesmo tempo, pois traz consigo a aspereza da esperança, as dores da infância, o fardo de um passado, as traições e os sonhos não satisfeitos, e todas as miragens, as auroras esperadas, as certezas."

"Auschwitz-Birkenau, Janeiro de 1945

O general soviético Igor Kunine avançava pelo meio das planícies e dos pântanos da Alta Silésia sem compreender o espectáculo que se encontrava aos seus olhos. Ninguém o prevenira. Fora o acaso que os conduzira até ali, ele e os seus homens. E sentia a estranha impressão de que o corpo e o espírito se tinham dissociado (...) O seu corpo caminhava entre barracões escuros no meio de uma luz opalescente da qual surgiam seres de olhar vazio, de vestes ás riscas esfarrapadas, descalços, que o observavam sem proferir uma palavra."
 
 
Publicado, originalmente em "É possível ser feliz..."
publicado por Charneca em flor às 21:52 link do post

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
subscrever feeds
Posts mais comentados
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Nunca li mas a história cativou. Li outros posts. ...
Huum vou procurara gora na Feira do livro.
ola,sou brasileira e foi por acaso que encontrei O...
Também eu gosto muito de Le petit Prince. Sinto in...
Um dos melhores livros :)
Ainda bem que gostou Fenix! Aconteceu o mesmo comi...
Também adorei só consegui para no fim quanto mais ...
Já li e adorei! Excelente livro como aliás todos o...
Saudações a todos. Venho sugerir as capas para liv...
É sem dúvida um excelente livro, ficamos presas do...
blogs SAPO