Clube de leitura
Porque ler é um prazer que deve ser partilhado
13 de Março de 2011

 

Nunca tinha lido nada de José Eduardo Agualusa embora, de algum tempo para cá, tenha alguma curiosidade pelos escritores africanos como Agualusa ou Mia Couto. Comecei a ler a medo mas foi uma boa aposta. O livro não é muito grande (184 páginas apenas) e lê-se muito bem desde que se leia com disciplina e atenção já que não se trata de um relato linear. Capítulos do enredo alternam com capítulos que contam lendas africanas, relatos de sonhos e histórias longinquas no tempo. Agualusa escreve de uma maneira muito divertida. O fulcro desta história é a pesquisa de novas palavras, neologismos, na língua portuguesa. Nesta busca acompanhamos o percurso de Iara, uma jovem linguista portuguesa, à procura da origem destes neologismos. Iara conta com a ajuda de um velho professor angolano e anarquista. Como diz na sinopse, "Milagrário Pessoal é um romance de amor e, ao mesmo tempo, uma viagem através da história da língua portuguesa, das suas origens à actualidade, percorrendo os diferentes territórios aos quais a mesma se vem afeiçoando."

Tendo em conta o cenário actual da língua portuguesa, com o tão falado Acordo Ortográfico, esta história prova que uma das riquezas da língua portuguesa é a sua diversidade, as várias maneiras de falar português em Portugal, nos vários países africanos ou no Brasil. A meu ver, este (des)Acordo vai retirar inocência à nossa língua obrigando-nos a escrever todos da mesma maneira. Não sei se Agualusa escreveu esta história a pensar nestas discussões sobre o Acordo mas foi isso que eu li nas entrelinhas e essa conclusão é da minha responsabilidade, evidentemente.

 

"Volto a estudar a lista. Vinte e três palavras, todas elas polidas e perfeitas, lúcidas, evidentes, e - sobretudo - imprescindíveis.

São palavras tão familiares, ou melhor, soam tão familiares, que não parecem neologismos, diz-me Iara. As pessoas ouvem-nas, e ficam convencidas de que sempre as utilizaram."

 

"Levou-o este necromante à Vila de Massangano, onde o apresentou a uns pássaros de voo lento e trabalhoso, forte penagem verde e azul, e uma crista púrpura na cabeça, à maneira do solidéu dos cardeais, mostrando-se tais pássaros muito àgeis nos pensamento e hábeis no falar. A partir de várias conferências com os referidos pássaros doutores, que os nativos chamam onduvas, reuniu Moisés da Conceição uma colecção de palavras extravagantes, de muita serventia, segundo me confidenciou o índio Mariano, para a boa iluminação das nações que habitam este país e, mais do que isso, da natureza da vida e dos seus maiores."

 

Post publicado originalmente em Leituras da Stiletto

publicado por Charneca em flor às 21:33 link do post
13 de Março de 2011

Acredito que a maior parte das mulheres, mães, esposas, companheiras, apesar de fazerem tudo o que está ao seu alcance para educarem os seus filhos, dando-lhes o melhor, no intuito de fazerem deles cidadãos com valores, princípios e boas regras de conduta, apesar do sua missão olímpica de tentarem cumprir com perfeição as tarefas que lhe são inerentes em todas as áreas de vida, mais que uma vez se terão questionado se os métodos usados serão os melhores e se no futuro os resultados cumprirão as expectativas criadas.

 

Marta Gautier, psicóloga clínica, a par da terapia individual, tem desenvolvido um trabalho na Área das Competências Parentais junto dos pais que querem melhorar a relação com os filhos de modo a adquirirem conhecimentos para mudar comportamentos.

 

O que é ser mulher e mãe em Portugal é a pergunta com que é iniciado o excelente prefácio escrito por Marcelo Rebelo de Sousa onde a certa altura se pode ler: "...é bom ler este livro, para descobrir e redescobrir que a realidade é sempre mais criativa do que a mais fértil imaginação" e mais à frente..."A vida é feita de tudo um pouco. E saber olhar para o seu lado positivo -pequeno que seja - é outro apelo/ sugestão  da leitura desta obra.

Não desanimar. Não descrer. Não deixar de sonhar. Este é o imperativo que não podemos esquecer, mesmo nos piores momentos da nossa vida".

 

Marta Gautier, num tom confessional e genuíno com que certamente muitas mães se identificarão, pretende alertar para certos vícios e equívocos que se instalam nas relações familiares.

Mães e mulheres, a meu ver, depois de lerem este livro, despenalizar-se-ão, ou suspirarão de alívio, por constatarem que as dúvidas, constrangimentos limitações que surgem no dia a dia de uma família, são comuns a muitas outras e certamente perceberão que não há famílias perfeitas.

 

 

 

publicado por Existe um Olhar às 19:14 link do post
Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
29
30
subscrever feeds
Posts mais comentados
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Nunca li mas a história cativou. Li outros posts. ...
Huum vou procurara gora na Feira do livro.
ola,sou brasileira e foi por acaso que encontrei O...
Também eu gosto muito de Le petit Prince. Sinto in...
Um dos melhores livros :)
Ainda bem que gostou Fenix! Aconteceu o mesmo comi...
Também adorei só consegui para no fim quanto mais ...
Já li e adorei! Excelente livro como aliás todos o...
Saudações a todos. Venho sugerir as capas para liv...
É sem dúvida um excelente livro, ficamos presas do...
blogs SAPO